A crise econômica não está fácil para ninguém, uma vez que o Brasil alcançou em 2015 o seu pior índice nessa questão, em comparação com os outros anos. No entanto, existem maneiras para manter certa segurança econômica durante esse período.

Veja agora algumas dessas fórmulas que contribuem para manter o seu equilíbrio financeiro, mesmo estando em tempos econômicos complicados.

Fique atento ao seu orçamento

Por incrível que pareça, muitas pessoas não têm ideia do seu orçamento geral e do quanto pode gastar. Faça este levantamento periodicamente, pois com estes indicadores é possível perceber a evolução ou involução da sua condição. Observe com cuidado seu extrato bancário, a fatura do cartão ou mesmo o relatório do imposto de renda.

Estabeleça metas

Juntar dinheiro apenas por juntar dinheiro não é algo prazeroso. Gostamos de imaginar o que vamos obter com este esforço de postergar o consumo hoje. Pense sempre que está poupando em prol de algo no futuro, seja uma viagem de férias, um carro novo, uma nova casa, ou mesmo uma situação confortável após a aposentadoria.

Lembre-se: a meta deve ser específica e possuir um prazo para atingir um valor alto, pois um dia apenas não é significativo.

Conheça as vantagens de economizar o seu dinheiro

É possível pagar menos imposto de maneira legal, reaver tributos pagos, conseguir vantagens no uso do seu cartão de crédito, isenções de tarifas bancárias ou conseguir passagens aéreas gratuitas, simplesmente lendo ou perguntando um pouco mais.

Estoque produtos

Produtos que a família consome com frequência e com data de validade longa podem ser estocados, mas apenas se esses forem encontrados em promoção. Por exemplo, quando um pacote de fraldas está muito barato e, para quem tem um bebê, comprar um número maior de produtos se torna interessante naquele momento.

Substitua certos hábitos e produtos

Uma forma de reduzir o impacto da crise sobre o seu orçamento é cortar os produtos que você percebe que estão ficando mais caros e substituí-los por outros produtos ou similares de outras marcas. Procure avaliar quais gastos são essenciais e não podem ser mudados e quais, embora necessários, podem ser substituídos por equivalentes mais baratos.

Um exemplo dessa questão é o almoço no trabalho, que pode perfeitamente ser substituído por uma marmita ou até por um lanche feito em casa.

Também podemos ter cuidado com os hábitos de passear em grandes centros de consumo, como shoppings ou supermercados. Se possuir dificuldade em resistir às vitrines e estantes tentadoras é melhor evitar as idas a esses lugares. Tente substituir por passeios mais vantajosos economicamente como, por exemplo, idas a parques, praças, pelo centro da cidade ou mesmo por uma região gostosa do seu bairro.

O que você achou dessa matéria? Não deixe de comentar, compartilhar e mostrar para aqueles que estão interessados nesse assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *